Colecionar jogos: como começar e algumas dicas

152

Eu sempre falo aos meus amigos que colecionar jogos é um arte… sei que é difícil, mas  tentarei, neste espaço, falar um pouco sobre como começar uma coleção, dando algumas dicas.

Para colecionar qualquer tipo de jogo, seja de videogame ou até jogos de tabuleiro (board games), você precisa inspiração e estudo. Com planejamento e muuuuuuita paciência qualquer um pode ser bem-sucedido. Você vai precisar ter feeling para identificar boas oportunidades e desviar de pedras que estarão no caminho.

Colecionar jogos: um desafio

Colecionar jogos é um desafio e posso dizer isso pois sou um colecionador há muitos anos – colecionador modesto, mas já com alguma experiência. Hoje tenho mais de 20 videogames (entre eles, portáteis e add-ons) e algumas dezenas de jogos para esses sistemas. Possuo também cerca de 170 jogos de tabuleiro, alguns out of print (fora de catálogo). Não é um número necessariamente grande, mas já é bem considerável, principalmente porque tenho alguns que são bem difíceis de conseguir. Diante disso, você deve estar pensando: “esse cara deve ser rico para ter tudo isso”. Não, definitivamente! Coleção, claro, vai demandar investimento, mas não é “coisa de rico”, como muitos pensam.

Colecionar jogos é sempre um desafio. Imagine quanto tempo esse cara demorou pra juntar tudo isso!
Colecionar jogos é sempre um desafio. Imagine quanto tempo esse cara demorou pra juntar tudo isso!

Buscando informações 

Se você, assim como eu, é um assalariado e não nasceu em berço de ouro, você precisa saber que colecionar jogos é um hobby e para ser bem-sucedido, primeiramente, você precisa priorizá-los em detrimento de outros hobbies. (PS: se você é milionário, esqueça este texto, pois você não precisa de nada o que vou explicar aqui. rs). O que eu quero dizer é que você precisa ter foco se quiser ter uma coleção bacana – não pode gastar centenas de reais em uma balada de sábado à noite, por exemplo, ou sair comprando tudo o que acha legal por aí.

Você precisa identificar se você quer os jogos para realmente jogá-los ou se quer apenas para enfeitar estantes e mostrar para os amigos (geralmente os colecionadores “completistas” agem assim: pegam jogos só “por ter”, sabendo que a chance deles saírem das suas estantes ou armários para serem jogados são minúsculas). E esse é um passo muito importante também, pois vai delinear o caminho a ser seguido. Se você quer realmente aproveitar os jogos, ou seja, jogá-los de verdade, você tem que levar em consideração seus gostos pessoais e das pessoas com quem você vai passar seu tempo nas jogatinas (não adianta colecionar jogos do Batman se seu amigo de jogatina odeia super herois. rs).

Outro detalhe essencial é conhecer bastante os mecanismos de busca da internet (Google é primordial), conhecer as principais lojas dos segmentos dos jogos e, ainda, fazer parte de grupos de venda e troca em redes sociais.

Sites especializados

Há sites especializados que têm informações diversas sobre jogos e é sempre bom se atualizar.

Para notícias mais frescas sobre videogames, um bom portal é o Techtudo. Já quem se interessa pelos games retrô, o site mais famoso é o 99vidas, porém seu conteúdo é muitas vezes criticado por retrogamers mais exigentes. Na seção “News” do Mural Gamer também tem sempre informações e novidades do mundo dos games. Na área dos jogos de tabuleiro, a “Bíblia” dos colecionadores é o BGG – Board Game Geek, que tem o maior banco de dados neste hobby.

Por fim, você deve definir se você quer jogo novo (no plástico), jogo usado em estado de novo ou jogo usado em qualquer estado de conservação. No caso dos videogames antigos, por exemplo, tem os cartuchos “loose” (sem a caixinha) ou sem manual. Estabelecer se você quer itens completos ou não também é vital para dar um “norte” à sua coleção. Eu, por exemplo, faço buscas apenas por usados em bom ou excelente estado, mas não precisa ser completo (com manual, caixa, spinecard, etc.); dificilmente compro jogo novo em folha (new), pois dou preferência aos usados em bom estado. E nunca pego itens em mau estado, mesmo que sejam “raridades”.

Coleção de jogos de tabuleiro (ou board games).
Coleção de jogos de tabuleiro (ou board games).

Termos usados por colecionadores de jogos que é bom você conhecer

Durante suas caçadas, é importante você conhecer uns termos usados pelos colecionadores e vendedores. Quando você ler que um jogo é CIB (Complete in Box) é porque ele está completo na caixa; “mint condition” é usado quando o jogo está em perfeito estado. Já quando você ler “sealed with original shrink wrap” quer dizer que está lacrado com o plástico original, o que geralmente é bem raro; “new” é quando é novo e “used” quando usado. No caso dos jogos de tabuleiro, você pode ler o termo “unpunched”, o que quer dizer a caixa foi aberta (deslacrada, ou seja, teve o plástico retirado), mas as cartelas estão intactas (não foram destacadas), sem uso.

A eterna dificuldade de colecionar jogos no Brasil

Colecionar jogos tem seus desafios no Brasil, mas não é algo impossível. Em nosso país temos impostos bem altos para jogos e consoles de videogame e, em relação aos tabuleiros (ou board games), as empresas nacionais precisam desembolsar uma grana preta não só para os impostos, mas para outras necessidades (licenciamento, produção, etc.), fazendo com que os jogos cheguem às lojas a preços bem altos.

Quem coleciona tem que conhecer bem o mercado, ou seja, saber qual o preço que as principais lojas estão estabelecendo para esses itens. É claro que isso funciona para jogos novos, que estão em lançamento ou que foram lançados recentemente. Já para os jogos que saíram de catálogo (ou seja, jogos antigos), é preciso conhecer os principais grupos de vendas e trocas desses itens nas redes sociais e lojas online, e – ATENÇÃO neste momento – não se deixar levar pelos preços existentes no Mercado Livre, que é um antro de vendedores sem noção e fora da realidade.

Mãos à obra!

Depois de pesquisar os valores dos produtos desejados, sejam novos ou usados, em lojas nacionais e internacionais, é hora de ir à caça.

O principal site para compra, na minha opinião, é o eBay, onde é possível achar principalmente jogos usados a preços interessantes. E o legal é que, apesar de ser americano, vendedores do mundo todo anunciam ali. Já aproveitei grandes oportunidades e arrematei itens vindos do Japão, por exemplo. Leilões acontecem a todo momento e sempre há grandes ofertas. É importante que você esteja atento aos valores de frete oferecidos para o Brasil e às avaliações do vendedor (lembrando que quanto mais estrelas ele tiver na avaliação, mais conceituado ele é). Também é imprescindível você estar atento às taxas alfandegárias de importação que podem ser cobradas (abaixo explico melhor) pela Receita Federal. No Mercado Livre também é possível achar bons produtos, mas é MUITO mais difícil encontrá-los em bom estado e a preços razoáveis, no caso dos jogos usados.

Redes sociais

No Facebook há também vários grupos onde pessoas disponibilizam jogos. Eu já fiz boas compras em uma “feira do rolo de games usados”, de um grupo da minha cidade. Na sua cidade, desde que não seja muito pequena, é quase certeza que existe uma ou até mais “feiras do rolo”. Há também grupo de colecionadores, mas daí é um pouco mais difícil fazer bom negócio, já que a maioria dos participantes chutam os preços lá nas estrelas.

Ainda em relação às redes sociais, negócios bons mesmo são feitos em grupos de vendas locais de produtos diversificados. Entre sofás, martelos e geladeiras, vira e mexe tem alguém querendo se desfazer de jogos que você procura! É importante, nessas feiras do rolo, que você faça uma breve pesquisa sobre a pessoa que está vendendo um item de seu interesse. Sempre converse com outros participantes do grupo e mantenha contato com a comunidade. Busque saber quem são os melhores vendedores e se há possíveis caloteiros por ali… é importante essa comunicação interna entre os usuários do grupo para evitar cair nas lábias de pessoas mal intencionadas.

Paciência acima de tudo!

É essencial ter MUITA paciência quando começar sua coleção. Não queira ter tudo em uma semana, um mês ou um ano. Colecionar jogos demanda pesquisa, tempo, análise. Um grande colecionador é um incansável pesquisador, um apaixonado pela busca do que gosta, e está há muito tempo nessa vida. Ele não alcançou esse status do dia para a noite. Pode ser que você queira um item hoje, mas não é o melhor momento de adquiri-lo! Não haja por impulso e fique sempre atento às oportunidades. Tente negociar se sentir que o momento é oportuno. Esteja antenado para não se apressar e adquirir itens, por exemplo, em mau estado ou a preços muito altos… mas também não demore demais para tomar decisões, pois pode deixar escapar um bom peixe. Saber o timing é essencial… Colecionar exige sabedoria e a habilidade de entrar em ação na hora certa. Portanto, paciência acima de tudo!

Taxas de importação: o fantasma de quem coleciona jogos

Diante da dificuldade de comprar jogos no Brasil, a saída de muitos colecionadores é importá-los. Mas isso pode ser assustador e desanimador se se aventurar demais e navegar a esmo em mares internacionais. As taxas alfandegárias muitas vezes pegam colecionadores desprevenidos e chegam até mesmo a fazê-los desistir da coleção. Já vi casos de pessoas que pararam com o hobby depois que tiveram que pagar taxas enormes à Receita Federal.

Pela lei, produtos abaixo de 100 dólares não devem (ou deveriam) ser taxados, desde que o remetente do produto seja pessoa física. É o que diz o Decreto-Lei Nº 1.804, de 3 de setembro de 1980 (artigo 2º, inciso II). No entanto, existe uma portaria do Ministério da Fazenda (Portaria MF nº 156, de 24 de junho de 1999) que estabelece o limite de 50 dólares para isenção de taxas. Essa portaria estabelece que tanto quem manda os jogos (lá do país estrangeiro) quanto quem os recebe no Brasil devem ser pessoas físicas. Essa portaria já deu muita “confusão”, pois aconteceram casos em que a Receita fez cobranças de taxas em produtos abaixo de 100 dólares. A alegação? A de que o remetente era pessoa jurídica, tendo por base a tal portaria.

Em outras palavras: misturam o que diz o decreto-lei com a portaria e mandam a conta para você. Caso você tenha comprado algo recentemente e acha que foi taxado de forma abusiva, muita calma! Existe a possibilidade de recorrer da cobrança e pedir a reavaliação da taxação. No site idCorreios tem mais informações sobre isso.

Nem sempre colecionadores recorrem da cobrança…

Vira e mexe há casos de pessoas que recebem taxação bem alta, acima do normal, mas como os valores ainda são baixos em relação aos preços praticados no Brasil, elas resolvem pagar e receber logo o produto ao invés de abrir uma reclamação e esperar longos meses pela reavaliação da cobrança pela Receita…

AQUI você já pode tirar algumas dúvidas sobre as taxas de importação e os procedimentos nos Correios.

Colecionar jogos: um hobby que vale a pena

Se você é aspirante a colecionador de jogos ou acabou de entrar no hobby, saiba que colecionar é algo incrível! Sempre quando tem aquele dinheirinho reservado para esse ou aquele game e aparece uma oportunidade pela frente… voilà! É sempre uma alegria conseguir aquele item que a gente sempre buscou.

No meu caso, prezo bastante pelos títulos antigos de videogame, pois eles fizeram parte de uma época mágica de minha vida (anos 90, basicamente). Já os jogos de tabuleiro eu sempre busco por títulos de autores bem estabelecidos no mercado e famosos por adotarem boas (e geniais) mecânicas em seus jogos. São horas e horas de diversão para mim e amigos companheiros de jogatina.

Bem, espero ter conseguido passar um pouco da minha experiência e ter lhe ajudado, mesmo que seja um pouquinho, a iluminar seu caminho nesse incrível hobby de colecionador de jogos. Vou te convidar a escrever aí embaixo, nos comentários, sobre o assunto! Você já é colecionador ou pretende começar sua jornada no hobby? Conte pra gente.

Sucesso!

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui