Mega Drive Mini é lançado no Japão e América

286

A SEGA lançou no dia 19 de setembro, no Japão e América, o Mega Drive Mini, a versão miniatura do mais bem-sucedido console de sua história. O preço é de 79,99 dólares (valor conferido na Amazon no dia do lançamento) – 80 dólares, arredondando.

Versão americana no Mega Drive Mini, vendido a um preço convidativo: 79,99 dólares - 80 U$, arredondando.
Versão americana no Mega Drive Mini, vendida a um preço convidativo: 79,99 dólares – 80 U$, arredondando.

A principal novidade é que a versão em miniatura foi desenvolvida pela própria SEGA, ao contrário de outros Mega Drive que vemos por aí – como o da TecToy, que tem hardware “genérico” da AtGames. O bundle inclui dois controles clássicos de três botões.

O lançamento da versão europeia do Mega Drive Mini está prevista para 4 de outubro.

Mega Drive Mini na palma da mão

O Mega Drive Mini tem a metade do tamanho do original (cabe na palma da mão), mas nada mudou na forma de jogar. Os jogadores poderão usar o clássico e saudoso controle – grandão – de 3 botões, que vem junto no pacote. Como já dito, no bundle há dois deles. Mas nada impede de você usar um controle de seis botões. Se você ainda não tem um desse, é possível comprá-lo por cerca de 20 dólares – modelo da RetroBit licenciado pela SEGA. Lembrando que os control pads oficiais dessa versão mini têm fios e entrada USB.

Mega Drive mini: tão pequeno que cabe na palma da mão
Mega Drive mini: tão pequeno que cabe na palma da mão

40 games “lendários”

A propaganda SEGA é efusiva: o Mega Drive Mini “includes 40 legendary games”, ou seja, vem com 40 jogos “lendários” na memória. Na verdade são 42, pois dois deles são considerados “bônus”. Vendo a lista aqui fiquei com os olhos cheios. Alguns deles vou destacar: Sonic 1 e 2, Ecco The Dolphin, ToeJam & Earl, Altered Beast, Gunstar Heroes, Comix Zone, Shinobi III, Streets of Rage 2, EarthWorm Jim, Golden Axe, Ghouls’n Ghosts, Street Fighter II, Kid Chameleon, Road Rash II, Strider, entre outros.

Emulação no Mega Drive Mini

O Mega Drive Mini usa emulação desenvolvida pela M2, mas os componentes de hardware são da própria SEGA. Importante lembrar que os “minis” de sucesso da Nintendo (SNES e NES mini) também usam emulação.

Na caixa vem um cabo HDMI, portanto, você pode jogar em qualquer TV nova. Segundo especialistas que já experimentaram o console, a emulação no Mega Drive Mini é de primeira qualidade: “The emulation is top notch…”, de acordo com o “GameCentral” do site Metro, do Reino Unido. Por outro lado, especialistas dizem que existem algumas imperfeições, o que é normal tendo em vista que estamos falando em emulação…

Mini Megazord!

E atenção, fãs de carteirinha! Preparem seus bolsos! No Japão foi lançado também hoje a réplica do Mega Drive versão “Megazord”. Pra quem não sabe o que é “Megazord”, é o apelido que deram ao Mega Drive que possui todos seus addons instalados (Mega CD e 32X). A “torre” também conta com o cartucho miniatura do Sonic. Todos eles opções puramente estéticas, mas LEGAIS PRA BURRO.

Como disse, é apenas “estética” e “perfumaria”: não haverá 32 bits de potência. No entanto, o “look” fica lindão, não é mesmo?! Dá uma olhada aí embaixo…

É ou não é de encher os olhos esse Mega Drive Mini "Megazord"?
É ou não é de encher os olhos esse Mini Megazord?

Opinião da Eurogamer.net sobre o Mega Drive Mini

Todo retrogamer é, geralmente, um cara chato. O conceituado site Eurogamer.net publicou um review bem sincero do Mega Drive Mini, em que um jornalista retrogamer – meio chato… hehe – faz elogios, mas também pontua algumas falhas que são características próprias de consoles que “emulam” o hardware original. Trouxe aqui alguns trechos desse review, usando uma tradução livre do texto original.

No geral, o articulista diz que o Mega Drive Mini é muito bom e que vale a pena, mas não oferece a mesma experiência de jogar no console real em TV de tubo (CRT) – o que é bem óbvio, aliás.

Resumindo, ele diz que quem gostou das soluções apresentadas pelo NES e Super NES Classic provavelmente vai gostar do Mega Drive Mini também, afinal, “os resultados são comparáveis”.

Filtros decepcionantes?

Primeiramente, o site Eurogamer.net pega no pé em relação aos filtros e aos dimensionamentos da tela. “O mini tenta replicar uma experiência de TV de tubo (CRT) com um filtro sob medida, mas, para ser sincero, é um esforço decepcionante. Esse é o recurso mais decepcionante da emulação do M2, pois simplesmente desfoca e filtra a imagem enquanto aplica linhas de digitalização fracas. Não é uma ótima implementação e eu não sugeriria usá-lo”.

“No geral, o dimensionamento não é perfeito em todos os modos, mas se você deseja minimizar os problemas com ele, a maioria dos jogos joga melhor usando o modo de pillar boxed padrão”.

Problemas no áudio?

Ainda de acordo com Eurogamer.net, o áudio também tem alguns problemas.

“A emulação de áudio do Mega Drive há muito se mostrou desafiadora e essa dificuldade é aumentada pela variação entre diferentes modelos do hardware original, proporcionando alterações na reprodução do áudio. Existem algumas imprecisões no Mega Drive Mini, particularmente em jogos considerados ‘problemáticos’ nesse quesito, como o Comix Zone, enquanto outros títulos como Streets of Rage 2 soam bem. No entanto, um problema maior é o atraso do áudio – o tempo entre o momento em que um som deve ser reproduzido e quando ele é reproduzido. Há um atraso em comparação com o hardware original na ordem de 10 a 11 quadros. São mais de 160ms e isso não é bom”.

Atraso nos comandos – input lag?

“Por ser um sistema baseado em emulação, provavelmente usando um buffer de quadros, o Mega Drive Mini possui problemas encontrados também em outros consoles mini: os atrasos dos comandos – conhecidos como input lags. O input lag é aumentado em relação ao hardware original em vários quadros (frames), fazendo com que o jogo fique mais ‘pesado’ do que você está acostumado. Mesmo quando eu joguei o Mega Drive Mini em uma TV de tubo (CRT), com atraso zero, a demora dos comandos (input lag) fornecido pela emulação é perceptível e, obviamente, a latência da tela plana acontece também”.

Conclusão

“Em resumo, há muito o que adorar neste produto, desde a brilhante reprodução em miniatura da máquina original, até a excelente emulação e uma seleção simplesmente incrível de jogos. O atraso no áudio, os input lags e pequenos problemas de escala impedem que o console chegue à perfeição – mas para os puristas, há sempre a opção de jogar no Mega analógico original. No entanto, para um produto que visa recuperar a magia de uma era muito especial dos videogames, o mini Mega Drive é simplesmente excelente. Se você cresceu com o console de 16 bits da Sega, mas não o joga há algum tempo, este é um lançamento imperdível – e possivelmente o melhor mini console retrô até agora”.

Um gigante em miniatura

Mega Drive foi e continua sendo um gigante e recebeu um mini à altura, ao que tudo indica. Praticamente três anos após a Nintendo lançar seu primeiro console diminuto (NES Classic), a SEGA coloca no mercado uma excelente opção para os retrogamers apaixonados, assim como aconteceu com o Playstation Classic recentemente. A nova onda das miniaturas têm acertado em cheio os corações dos mais nostálgicos: por exemplo, o SNES e NES mini venderam, juntos, mais de 10 milhões de unidades. Quanto será que venderá o Mega Drive Mini? A um preço de 80 dólares, que é convidativo, podemos ter grandes surpresas por aí…

O que achou do Mega Drive Mini? Comente aí nos comentários do Mural Gamer.

Curte personagens dos videogames? Não deixe de conferir o mais recente artigo postado pelo nosso amigo JT, sobre a Musa Gamer Sofia, do jogo Tomb Raider!

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui