Proibições na Liga de e-Sports

A ESL, maior empresa do ramo de organização de torneios de e-Sports, divulgou medidas anti-doping em torneios, mostrando uma lista de substâncias proibidas de serem usados durante os torneios, como por exemplo, maconha, anabolizantes e o estimulante Adderall.

Ao adotar a lista de substâncias proibidas da Agência Mundial Antidoping, testes serão realizados, ainda este mês, no torneio que ocorrerá em Colônia, na Alemanha.

Um exemplo do que foi proibido de ser usado durante os torneios, a maconha. Deixando claro como uma regra do torneio: “O uso recreativo, fora das competições, não será punido”. Tais testes serão realizados de forma aleatória, sendo assim, há grandes possibilidades de que o jogador passe por diversos exames.

Jogadores que se envolverem com alguma dessas substâncias, deverão informar a ESL, antes mesmo dos agendamentos das partidas e entregar provas para a comissão anti-doping.

As medidas de punição serão definidas caso a caso e vão desde “Reter o prêmio em dinheiro, pontos do torneio à desqualificação e banimento de 2 anos dos eventos da ESL”.

O uso de estimulante Adderall tem sido o ponto referencial para discussões ás medidas anti-doping nas competições de e-Sports. Uma declaração dada em que um time profissional de Counter-Strike Global Offensive, admitiu o uso do estimulante durante o torneio, que foi realizado em março. Mas que o uso de drogas não era controlado pela ESL.

O estimulante Adderall é um medicamento que trata efeitos de Transtorno de Déficit de Atenção, isto é, tornando o tempo de reação e reflexos com mais rapidez. O que causaria vantagens significativa em torneios profissionais de jogos eletrônicos, como por exemplo, League of Legends e Counter-Strike.